Era Going To Hell


Going To Hell é o segundo álbum de estúdio da banda The Pretty Reckless lançado dia 25 de março de 2014. Com esse álbum a banda literalmente foi ao inferno enfrentar tudo e todos para apresentar ao mundo o que, segundo Taylor, não seria um novo capítulo da banda, mas sim um novo livro!

HISTÓRIA DO ÁLBUM
Após lançar o EP Hit Me Like A Man e finalizar a turnê de divulgação do mesmo, a The Pretty Reckless começou a trabalhar no seu segundo álbum de estúdio até então sem título, programado para o primeiro semestre de 2013.

Trabalhando mais uma vez com o produtor Kato Khandwala, a banda já reunia uma boa quantidade de material quando o estúdio de gravação onde a banda criava e gravava o novo álbum, em Nova Jersey, foi totalmente destruído pelo catastrófico furacão Sandy.

“Era o nosso lugar e tinha a energia perfeita. Tínhamos uma coisa muito boa acontecendo, e quando o furacão veio e levou isso, foi devastador.” - Taylor Momsen para a Kerrang! Magazine.

"Nós perdemos muitas coisas. O estúdio inundou com oito pés de água. Então tivemos que reconstruir nossos materiais. Tivemos que encontrar um novo estúdio e foi um pouco infeliz porque nós tínhamos um bom sentimento indo embora." - Taylor Momsen para a REVOLVER Magazine.

"Nós basicamente tivemos que começar tudo de novo em um estúdio diferente porque o nosso estava completamente destruído. Então isso realmente travou o projeto, nos atrasou bastante." - Taylor Momsen para o programa Artisan News.

Com esse primeiro imprevisto envolvendo a gravação do álbum, a banda teve que regravar todo o material já pronto e começar tudo do zero. Além de ter que recuperar todos os instrumentos perdidos da banda e o próprio estúdio. Dessa experiência devastadora Taylor Momsen e Ben Phillips conseguiram criar a faixa título do álbum, Going To Hell.

Dia 7 de dezembro de 2012 a banda lançou a música Kill Me que seria o primeiro single do novo álbum da banda. A canção ganhou um lyric video em janeiro de 2013.

        

Ainda lutando para reconstruir o estúdio, tentando recuperar o material perdido e criando rigorosamente o novo álbum, a banda sofre mais um imprevisto, a morte inesperada de Lisa, esposa do produtor Kato Khandwala.

“Ela era como uma mãe para todos nós da banda. Nós éramos todos muito próximos. Ninguém superou isso ainda.” - Taylor Momsen.

"Ela era muito rock n' roll" - Taylor Momsen para a Kerrang! Magazine.

Essa outra tragédia inspirou a banda a escrever outra canção para o álbum, Fucked Up World, que traz os versos "É um mundo fodido o que você ganha? Sexo e amor e armas, acenda um cigarro. Um mundo fodido é o que você ganha disso?"

Após um período de silencio e nenhuma informação sobre o novo álbum, dia 30 de maio de 2013 a banda lança o teaser trailer do álbum, agora intitulado Going To Hell e previsto para ser lançado no final do ano.

Em 17 de junho de 2013 a banda lança a música Follow Me Down e Taylor confirma que essa é a primeira música do novo CD, descartando assim Kill Me da tracklist do álbum. Dia 1 de julho de 2013 a música Burn foi lançada e dois meses depois, em 19 de setembro de 2013, a faixa título e primeiro single promocional do álbum, Going To Hell. Junto com a musica veio a notícia do rompimento com a Interscope Records e o anúncio da nova gravadora da banda, Razor & Tie.
"Uma das maiores coisas que você busca em uma gravadora é ter alguém que esteja animado com seu trabalho e agora encontramos uma que realmente ama a nossa música, então se encaixa perfeitamente." - Taylor Momsen para o Front Row Live.
Previsto para ser lançado no final de 2013, o álbum foi adiado mais uma vez. A banda saiu em turnê dia 20 de setembro e durante ela apresentou ao vivo mais duas músicas do álbum: Sweet Things e Fucked Up World. 
Dia 21 de janeiro de 2014 Taylor Momsen finalmente anunciou a data do lançamento do Going To Hell e a tracklist. O álbum seria lançado dia 18 de março de 2014 (25 de março no Brasil) com 12 músicas na versão standart e 14 na versão deluxe, sendo as da versão deluxe duas faixas acústicas.


CONCEITO DO ÁLBUM
Depois de rodar o mundo em turnê por dois anos consecutivos a banda viu o verdadeiro caos instalado pelo mundo. Visitando todos os tipos de lugares e vendo de perto situações diversas, Taylor concluiu que todos nós estamos indo para o inferno.
“Fazer turnê pelo mundo mudou minha perspectiva. Tem muitos problemas, e não parece que alguém está falando ou escrevendo sobre isso. Desde a igualdade e desequilíbrio do poder ao jeito que não tratamos a Terra certo.” - Taylor Momsen para a Kerrang! Magazine.
Se aprofundando mais na escrita nesse álbum, o Going To Hell tem como tema a realidade dos acontecimentos do caótico mundo moderno. Onde as pessoas se destroem, destroem umas as outras e destroem o planeta. O álbum fala sobre o caos que se espalha pelo mundo atualmente. Tratando temas como:
Desigualdade
"Jimmy está lá atrás com o bolso cheio de drogas. Se você escutar atentamente você pode ouvi-lo chorar. Oh Senhor, Deus sabe, nosso lugar é bem lá embaixo."
[...] 
"Judy está no banco da frente apanhando lixo. Vivendo de doações ela precisa conseguir aquela grana. Não vai ser bonito. Não vai ser amável. Ela está apenas em seus pés."
- HEAVEN KNOWS -
Violência
"Porque você trouxe uma espingarda para a festa? Todo mundo tem uma, não há nada de novo sobre isso. Quer fazer uma declaração? Você deveria ter vindo sem ela!"
- WHY'D YOU BRING A SHOTGUN TO THE PARTY -
"Nessa casa na colina os vivos, ainda vivem. A intenção deles é matar, e eles vão. Mas as crianças estão bem. Eu penso nelas o tempo todo."
- HOUSE ON A HILL -
 Política
"Você liga a Tv, assista se tiver coragem. Você vê um político e começa a puxar os cabelos. Mas são duas dimensões, veja, não há nada realmente lá. Você quer dizer tanta coisa e pensa que eles ligam para isso."
- WHY'D YOU BRING A SHOTGUN TO THE PARTY - 

Religião
"De volta pra essas vadias fudidas implorando pra eu me comportar. Empurrando Jesus garganta abaixo, não, eu não quero ser salva. Sua vergonha bate no meu cérebro, não sou escrava de ninguém. Tenho um pé no berço e o outro no caixão."
- FUCKED UP WORLD -
Entre outros. Percorrendo por temas realistas e lúdicos, sombrios claros, metafóricos e biográficos, o Going To Hell é o manifesto de Taylor Momsen e Ben Phillips contra tudo que viram nos anos anteriores ao redor do mundo. É a tentativa de mudar o mundo para melhor através da arte. Através do rock n' roll.

O ÁLBUM
O álbum foi lançado oficialmente dia 25 de março de 2014, atingindo o #5 na Billboard 200 e o #1 no chart Hard Rock Albums.
        
CAPA
Para a arte da capa do álbum Taylor Momsen aparece completamente nua apenas com a cruz going to hell pintada no corpo. A foto foi cortada para a versão do CD, mas pode ser vista completa na versão vinil do mesmo.

 "Sexualidade é uma parte da música, porque a música é tão auto emotiva. É o seu corpo, é a sua alma, é seu tudo. Portanto meu corpo é uma parte disso também.
Eu não especificamente coloquei meu rosto na capa. É feito para ser sobre a cruz e de ela ser uma afirmação sobre ir para o inferno.
Está dizendo que eu não tenho nada. Eu fui livrada de todas as posses pessoais e posses materiais porque elas não tem valor. Você vem a este mundo com nada e sai dessa terra com nada a não ser sua alma. Por que cobrir isso com outra coisa?" - Taylor Momsen em entrevista para a Playboy.

"No primeiro disco, “Light Me Up”, havia uma imagem de uma menina me representando como criança. Esse álbum, ele não tem minha cara. É muito focado na música, porque eu poderia morrer no dia seguinte, mas eu quero a música para durar e ser algo que eu tenho orgulho. Então, tudo que eu faço, eu levo muito a sério." - Taylor Momsen para a Lehigh Valley Musicque.

A ideia da capa é inspirada em outras duas artes de cds icônicos do rock. Was Here do Eric Clapton, (grande influência de Ben) e o quadro das 6 capas de álbuns do Pink Floyd pintadas no corpo de mulheres.



"Assim, a capa do disco surgiu com… Foi uma inspiração em uma capa do Eric Clapton que eu amo, que é a foto das costas de uma mulher e eu queria fazer uma homenagem a isso e realmente tirar uma fotografia linda e ter a cruz como foco dela. Que é o motivo de minha bunda aparecer somente no vinil. Nos outros formatos, ela foi cortada." - Taylor Momsen para a Lehigh Valley Musicque. 

TRACKLIST

1. Follow Me Down
2. Going To Hell
3. Heaven Knows
4. House On A Hill
5. Sweet Things
6. Dear Sister
7. Absolution
8. Blame Me
9. Burn
10. Why'd You Bring A Shotgun To The Party
11. Fucked Up World
12. Waiting For A Friend

TURNÊ






A turnê de apoio ao álbum intitulada Going To Hell Tour, foi a terceira turnê da banda The Pretty Reckless.
A primeira parte da turnê teve início dia 20 de setembro de 2013 e se encerrou dia 11 de novembro de 2013 com apresentações nos Estados Unidos e Canadá.

Com um visual bem diferente do de antes, a Going To Hell Tour também foi marcada pela mudança de estilo de Taylor Momsen. Mais comportada, cabelos curtos, sem lingeries e os sapatos de stripper das turnês anteriores, Taylor usou em toda a turnê modelos de roupas mais simples com camisas com a cruz going to hell, adotando uma nova apresentação visual para a banda e classificando a antiga como uma "confusão adolescente".
"O que eu estava pensando? É a representação de quem eu era na época. Mas eu olho para trás agora e digo 'Cara - isso foi uma péssima decisão de roupa ali' [risos]". - Taylor Momsen para a Illionois Entertainer.

SnoCore Tour
A The Pretty Reckless estava confirmada como atração principal na SnoCore Tour que teria início dia 29 de janeiro de 2014 e encerramento dia 23 de fevereiro do mesmo ano. Mas Taylor Momsen ficou doente, diagnosticada com laringite aguda e princípio de pneumonia, sendo assim obrigada a cancelar a participação da banda por orientações médicas.

Save Rock and Roll European Tour

Em fevereiro de 2014 a banda começou sua turnê europeia junto com o Fall Out Boy sendo o ato de abertura. A turnê começou dia 28 de fevereiro de 2014 e acabou dia 22 de março contabilizando 15 shows ao todo.

Going To Hell Tour

Depois da turnê com o Fall Out Boy, a banda continuou seus shows solos até agosto de 2014. Com um total de 35 shows a banda visitou a Alemanha, Canadá, Estados Unidos, Inglaterra, Itália, Polônia, Rússia e Suíça.

No Fixed Address Tour

Em 14 de fevereiro de 2015, The Pretty Reckless saiu em turnê com a banda Nickelback sendo responsável pelos shows de abertura. A participação da TPR na turnê acabou dia 15 de março de 2015 totalizando 15 shows.
Carnival of Madness
Em abril de 2015, The Pretty Reckless iniciou mais uma turnê conjunta, dessa vez com a banda Halestorm. Os 14 shows, sendo o ato de abertura, foram do dia 22 de abril de 2015 a 27 de maio de 2015.

Going To Hell Tour

Do dia 29 de maio de 2015 ao dia 3 de junho de 2015, The Pretty Reckless fez shows próprios tendo alguns cancelados, sendo dois nos Estados Unidos e inúmeros outros não anunciados por conta de um acidente sofrido por Jamie. Ele foi atacado por um cachorro e teve seu braço quebrado impossibilitando assim a continuação da turnê.

Taylor Momsen chegou a dar várias entrevistas a veículos de notícias brasileiros falando sobre a vinda da banda ao Brasil com a turnê, mas os shows acabaram não acontecendo.
A Going To Hell Tour teve seu último show dia 3 de junho de 2015.

NOTA: Após o encerramento da turnê, em 2015, a The Pretty Reckless prometeu trabalhar no clipe de Follow Me Down e no lançamento de um álbum acústico do Going To Hell. Ambos os projetos foram cancelados e não concluídos por motivos desconhecidos. 

SINGLES


GOING TO HELL
Lançada dia 19 de setembro de 2013, Going To Hell foi o primeiro single promocional do álbum. A música não foi contabilizada pela Billboard e ganhou seu video clipe, lançado na vevo, dia 16 de outubro de 2013.


        


HEAVEN KNOWS
Lançada dia 19 de novembro de 2013, Heaven Knows foi o segundo single do álbum e o maior sucesso do mesmo. A música chegou ao #1 do Active Rock Radio e também atingiu o #1 por três semanas no Mainstream Rock Songs da Billboard, sendo essa a primeira música da banda a conseguir tal feito. A música também foi eleita pela Billboard a música de rock nº1 do ano de 2014.
O videoclipe da música foi lançado dia 13 de fevereiro de 2014 dirigido por Jon J e pela própria Taylor.

        



MESSED UP WORLD
Lançada como terceiro single do álbum dia 22 de abril de 2014, Messed Up World chegou ao #1 do Mainstream Rock Songs da Billboard, sendo a segunda música do álbum a atingir a marca. 
Messed Up World é a versão censurada de Fucked Up World e ganhou seu videoclipe dia 17 de junho de 2014, novamente com direção de Jon J e Taylor Momsen.

        


HOUSE ON A HILL
Lançado como quarto single promocional do álbum pelo sucesso entre os fãs, a música ganhou seu videoclipe dia 18 de novembro de 2014 com imagens simples e em preto em branco. Assim como a música o videoclipe passa a mensagem do conceito do álbum. Por ser single promocional a música não foi contabilizada pela Billboard.

       

FOLLOW ME DOWN
Lançada como single dia 19 de novembro de 2014, Follow Me Down foi a primeira música apresentada do álbum e também a música escolhida para ser o quinto e último single do mesmo, fechando assim a Era Going To Hell.
Follow Me Down teve seu video clipe planejado, mas foi cancelado em seguida. A música conta com apenas seu lyric video, lançado dia 17 de junho de 2013.
O single garantiu o terceiro #1 do álbum no Mainstream Rock Songs da Billboard.

         

WE'RE ALL GOING TO HELL!
Com todos os imprevistos, acidentes, catástrofes, shows cancelados e projetos interrompidos, na Era Going To Hell a banda literalmente conheceu um pedaço do inferno sendo marcados por um tempo de muitas perdas. Mas também de muitos ganhos. O Going To Hell, sem dúvidas, foi a primeira obra prima da The Pretty Reckless e com ele a banda colheu todos os frutos e reconhecimento que mereciam. Hit singles nº 1, recordes, shows esgotados e um lugar ao sol no hall das melhores bandas de rock da nova geração.
"Eu acho que o rock n' roll precisa ressurgir e eu quero fazer parte disso." - Taylor Momsen.

ESCUTE O ÁLBUM



ALGUMAS PERFORMANCES