Entrevista para a Screamer Magazine


Taylor Momsen concedeu uma entrevista para revista Screamer Magazine da qual é capa e falou sobre a turnê com o Soundgarden, como manter a banda unida e muito mais. Confira:

The Pretty Reckless foi formada em 2009 por Taylor Momsen (vocalista e guitarrista) e Ben Phillips (guitarra principal) e tem explodido no mundo do rock n 'roll. Após o lançamento de seu álbum de 2014 Going To Hell, que passou 29 semanas no Billboard Rock Charts, The Pretty Reckless mostraram mais uma vez sua dominação com o sucesso recente do seu terceiro álbum de estúdio, Who You Selling For, lançado em outubro de 2016. Com seu primeiro single, Take Me Down, passando 27 semanas no chart Mainstream Rock Songs da Billboard, alcançando o primeiro lugar e Oh My God, atualmente ocupando a 4ª posição na sua 14ª semana nas paradas, onde em um ponto chegou ao # 2 superando singles de Green Day, Twenty One Pilots e até mesmo Metallica de acordo com o site da Billboard. The Pretty Reckless é uma das sete bandas a enviar pelo menos quatro hits consecutivos para o topo do Mainstream Rock Songs e também detém o recorde de banda com vocal feminino com mais hits nº 1 no gráfico. Momsen e Phillips, juntamente com Mark Damon (baixo) e Jamie Perkins (bateria) são uma força que se tornou uma odisseia musical.

A Screamer Magazine foi capaz de sentar e conversar com Momsen sobre o novo álbum, turnês e muito mais. Quando perguntado sobre a inspiração por trás do novo álbum e o que está diferente neste álbum em comparação com seus álbuns anteriores, Momsen disse que "este álbum realmente mostra a evolução da banda e é a nossa realização mais orgulhosa até agora. Nós todos estamos mais velhos e todos nós crescemos, acabou se tornando basicamente um álbum de rock clássico, sem querer, mas ele entrou nessa direção naturalmente. Espero que haja algo para todos, porque é bem eclético". Momsen entra em detalhes sobre como eles decidiram o nome do álbum Who You Selling For, que é uma das músicas do álbum. "Quando estávamos selecionando as idéias para o título, a música Who You Selling For meio que nos prendeu e ela colocou uma pergunta para o público deixando-os interpretar o que eles querem que a música signifique, ao contrário de nós dizer-lhes. Porque honestamente é uma pergunta estranha e tem uma resposta diferente e um significado diferente para mim todos os dias”. Momsen acrescenta com uma risada - "Hoje estou me vendendo para a Screamer".

Take Me Down foi o primeiro single do álbum e sem dúvida o single mais bem sucedido até agora. Momsen nos diz a inspiração por trás da música e sua mentalidade quando escreve. "Ela veio de um nível extremamente pessoal e eu queria ser essencialmente honesta ao colocá-la na frente de tudo. Eu dei tudo para a música, para o rock n 'roll, pelo amor a ele como Robert Johnson fez no filme Crossroads. Ele literalmente desistiu de tudo para o rock n 'roll e eu sempre fui obcecada com o filme. Eu estava assistindo muito esse filme no momento em que eu estava escrevendo a música, assim em algum lugar entre essas pequenas coisas é como a música surgiu."

A The Pretty Reckless vem consistentemente transcendendo como uma banda e como indivíduos que brilham através de cada um de seus álbuns. Uma justaposição de coração, alma e o desejo de progressão é a força motriz por trás de suas realizações. "Tocamos o tempo todo, mesmo entre as turnês, o que nos mantém mais entrosados como músicos e como uma unidade".  Taylor confessa. "Crescer juntos e crescer separadamente, nossos objetivos são longevidade e qualidade, então estamos tentando superar a nós mesmos toda vez que fazemos um álbum".

Momsen é mais sábia do que sua idade aparenta e começou sua carreira na indústria do entretenimento como uma atriz e modelo quando tinha 2 anos, mas transformou-se eventualmente conhecida por seus papéis como Cindy Lou Who em O Grinch e como Jenny Humphrey em Gossip Girl em que ela parou para prosseguir a sua carreira na música. Fazer uma transição de carreira tão divergente nem sempre é fácil e muitas vezes as pessoas podem rotular um artista tornando difícil para eles fazerem essa mudança, mas para Momsen, foi sempre sobre música e veio naturalmente. "Eu realmente não pensei, só finalmente decidi que eu precisava estar naquele palco cantando porque eu estava cantando no meu quarto já fazia muito tempo. Foi emocionante a energia que senti, a adrenalina que eu consegui, que 10 anos depois ainda não foi embora"Olhando para trás, Momsen entrou na sua quando decidiu tomar os palcos e finalmente se tornou verdadeira com ela mesma e se tornou o que ela queria ser. Felizmente para os fãs de música, ela deu esse salto de fé e agora prova ser uma das mais promissoras musicistas do rock feminino atualmente. Mesmo tendo somente 23 anos, Momsen é aparentemente uma alma velha liricamente e emocionalmente enquanto exerce tal emoção e ternura com tanta intensidade. Momsen revela "Eu tenho trabalhado por 21 anos, então é uma combinação de muitas coisas que me inspiram que são resultado da experiência pessoal, das emoções internas, das histórias que você se ouviu, vem de toda parte, há muitos lugares de onde extrair e em seguida, torna-se sobre aperfeiçoamento e manter o foco para saber no que aquilo quer se tornar". Momsen nos diz como a música sempre foi a sua paixão e que ela estava sempre escrevendo música. Para aqueles que seguiram sua carreira, Momsen é vista cantando "Where Are You Christmas" em O Grinch. Momsen diz que ela foi colocada para atuar muito nova, mas quando ela finalmente tinha idade suficiente para fazer suas próprias escolhas, ela sabia que era hora de seguir seu sonho e prosseguir a sua carreira na música. "Eu queria ter certeza de que tinha um álbum digno de ser lançado antes que eu decidisse realmente me lançar musicalmente", admite Taylor.

Atuar no cinema e na televisão em comparação com o estar no palco executando música é uma experiência totalmente diferente. Se conectar com os fãs através de uma tela ao invés de se conectar com os fãs em um nível individual pode ser um desafio para alguns, mas Momsen confessa: "Quando você está no palco você entra em um transe e se tornar um com a música. Você se alimenta da platéia e sua energia. Se comparar a atuação com tocar música no palco, não há realmente muitas semelhanças. Quando você está em um filme ou um programa de televisão você está interpretando um personagem, mas quando você está no palco tocando sua música você é apenas você. É pessoal e está colocando para fora seu verdadeiro Eu".

Como cantora e guitarrista autodidata, a primeira inspiração de Momsen para fazer música veio dos Beatles. "Eles são a minha banda favorita de todos os tempos e eu cresci na coleção de vinis do meu pai, então eu fui criada com um monte de música muito boa, música autêntica, desde quando eu era muito nova. The Beatles, The Who, Pink Floyd, Bob Dylan, Neil Young e The Doors foram muito influentes para mim no início e à medida que eu fiquei mais velha eu entrei na era dos anos 90 com bandas como Soundgarden, Nirvana, Pearl Jam... eu poderia continuar falando e falando. Mas isso é onde o meu amor pela música começou e o que me fez querer finalmente se tornar uma artista.

Para The Pretty Reckless, não há um processo específico que eles têm quando se trata de escrever e gravar. Momsen e Phillips são os compositores principais, Momsen diz que "a escrita pode ser torturante em muitas maneiras contudo é recompensadora. Eu tento escrever de onde eu estou vindo e não necessariamente o que eu acho que vai vender ou o que as pessoas querem ouvir ou esperam. Uma vez que você escreve uma canção e você a libera, a canção não é mais a sua, pertence a todos os outros. Você não pode realmente forçar o processo de escrita, você só tem que esperar por uma idéia e esperar que essa ideia seja boa. Tanto Ben como eu temos a necessidade de ficar isolados das pessoas para escrever. Para estar sozinho com os nossos próprios pensamentos e uma vez que é um processo tão intenso, é importante para nós ter esse tempo para nós mesmos com a paz e tranquilidade que abre as nossas mentes criativas de uma forma mais eficaz, em vez de fazê-lo coletivamente. O maior desafio é tentar escrever quando você está viajando o tempo todo, porque você não tem a oportunidade de ter o espaço para escrever. Estar cercado por pessoas 24 horas por dia 7 dias da semana não é fácil. Por isso a maioria, se não todas as nossas canções, são escritas quando acabamos uma turnê e temos esse tempo pessoal novamente." Fazer turnê se torna cansativo e é incrivelmente desafiador para um artista estar viajando para novos destinos todos os dias e ter que colocar em 150% de sei em cada show. Momsen coloca os créditos na cafeína, mas também ressalta a adrenalina que ela recebe quando caminha até o palco. "A banda inteira sente isso. O som da multidão, a energia simplesmente nos abastece e nos mantém vivos. Nós adoramos tocar música, ser capazes de andar lá fora e gritar em um microfone e ouvir os fãs que nos ouviram desde o início, bem como novos fãs, torcendo e cantando junto com a nossa música, porque eles se preocupam com a música. É o melhor trabalho do mundo e faz tudo valer a pena. Todo o cansaço desaparece naquele momento" conclui Momsen.

Como Momsen mencionou anteriormente durante a entrevista, a longevidade é extremamente importante para a banda e por isso, fizeram um esforço consciente para criar um vínculo familiar. Estar na estrada e quando uma banda começa a experimentar o sucesso, ter esse vinculo e consciência é preciso para manter uma banda e evitar de sucumbir a problemas de ego ou até mesmo diferenças criativas. Muitas bandas passam por sua parcela de novos membros em um esforço de encontrar o ajuste perfeito e em alguns casos, como Metallica, eles tomam medidas extras como a busca de ajuda profissional para mediar entre as personalidades da banda e por isso, a Metallica continua a se manter forte todos esses anos depois, apesar da turbulência que eles passaram. The Pretty Reckless parecem ter esse mesmo valor quando se trata de quão bem conectado devem permanecer e o trabalho que leva para manter a banda em um bom lugar. Momsen compartilha o quanto eles gostam de música e tocam música juntos. "Foi um vínculo instantâneo, tanto musical como pessoalmente, com todos os membros. Estamos literalmente como uma família. No momento em que terminamos de fazer turnês, podemos demorar um dia ou dois a descansar e, em seguida, a próxima coisa que sei é que estou ao telefone com Ben ou Mark ou Jamie para ver se eles querem sair. Somos um grupo com uma relação muito forte" de acordo com Momsen.

Inicialmente, The Pretty Reckless ia ser conhecido como The Reckless, mas devido a problemas de marca registrada, Momsen disse que eles decidiram apenas acrescentar uma palavra extra e que na verdade The Pretty Reckless se tornou um nome muito mais apropriado. "A banda veio junta e eu era uma cantora/compositora que estava procurando mais estar em uma banda, do que o contrário, ser uma artista solo. Eu queria ser como os Beatles, não como Elvis, que fez sua música sozinho. Foi quando conheci Ben que estava em uma banda com Mark e Jamie. Ben e eu, apenas decidimos um dia começar a escrever música juntos e funcionou. De uma forma estranha, aconteceu e foi muito o destino. Eu acabei indo e cantando e assumindo sua banda e foi assim que aconteceu."

Com o passar do tempo, as mulheres estão se tornando cada vez mais iguais aos homens na indústria da música. Não que nem sempre houve mulheres fortes e estimadas na indústria, mas houve um aumento definitivo no nível de respeito recebido fora do status " música de sexo feminino" entre as mulheres no rock e em outros gêneros de música. Quando pressionada sobre o assunto, Momsen respondeu: "Eu realmente não vejo gênero, eu apenas baseio minha opinião sobre se a música é boa. Eu sei que há uma divisão, mas eu tento o meu melhor para não desenhar essa linha".
 Who You Selling For é o primeiro álbum da banda desde que o Going To Hell que foi lançado em 2014 e tem havido especulações de que o significado por trás do álbum tinha a ver com a culpa que as Escolas Católicas colocavam em crianças. Momsen garantiu-nos que o álbum não tem nenhum significado ou significado escondido sobre a religião, mas é mais que um álbum geralmente rebelde. "Céu e inferno é um tema comum, especialmente na música rock. Então, quando você pensa em músicas como Highway To Hell, muitas pessoas tentam colocar um rótulo na música ou levam as coisas muito literalmente, mas o álbum é mais uma metáfora entre o bem e o mal. Eu fui criada católica, mas não tem nada a ver com isso e talvez as pessoas pensaram que sim."

À medida que terminamos nossa entrevista, Momsen compartilha quão feliz ela está em agora serem capazes de ser a atração principal e fazer shows mais longos do que nas turnês anteriores. "Agora que temos três álbuns completos, finalmente temos um repertório suficiente para tocar, o que é incrível e nós realmente gostamos dele. Nossa primeira turnê quando abrimos para Guns N 'Roses estávamos tocando, tipo, três covers, porque nós só tínhamos alguns EPs lançados e não queríamos acabar como uma banda cover, mas agora temos músicas, por isso é muito mais divertido e agradável de tocar e o show tornou-se realmente desenvolvido". Enquanto eles fazem turnê e vendem seus shows, Momsen parte que o fato de que eles irão abrir para Soundgarden é algo que ela pode riscar da sua lista de desejos, que é a turnê dos sonhos. Os fãs podem aguardar ansiosamente para ouvir seus hit singles novos como Take Me Down e Oh My God, mas também será capaz de sentir a nostalgia das músicas mais antigas da The Pretty Reckless.

Com tanta paixão e talento ilimitado, The Pretty Reckless está a caminho de uma carreira intemporal. A aclamação da crítica, a banda já está recebendo. Não há fim à vista para o que eles podem fazer e estamos verdadeiramente ansiosos para vê-los subir ainda mais nos próximos anos.
Tradução por Fc Cold Blooded. 


FAÇA SEU COMENTÁRIO