Entrevista da Taylor Momsen para o Huffington Post


Taylor Momsen deu uma entrevista para o site The Huffington Post onde falou sobre a criação de novas músicas para o próximo álbum, a vinda da banda a América do Sul e mais. Confira:

Quando Taylor Momsen entrou na indústria da música com sua banda The Pretty Reckless em 2010, a banda estava crescendo firmemente na ramo mainstream. Seus dois primeiros álbuns, Light Me Up e Going to Hell, chegaram ao topo das paradas da Billboard com os singles "Make Me Wanna Die" e "Heaven Knows". Agora em turnê para promover seu mais recente álbum Who You Selling For, a The Pretty Reckless amadureceu como uma banda e isso é certamente exibido em sua música. Seu novo álbum mostra o quanto The Pretty Reckless cresceu como uma banda em um negócio que está sempre mudando. Eu falei recentemente com Momsen sobre a viagem de sua banda com o novo álbum e seus pensamentos sobre a indústria da música em constante evolução.


Como vocês começaram a trabalhar no novo álbum?

Bem, nós fizemos turnê com o Going To Hell por aproximadamente 2 anos e meio, e nós estávamos muito prontos para o material novo. Então, quando saímos da turnê, Ben e eu praticamente pulamos para o processo de escrever. Uma vez que tivemos uma quantidade de músicas que eram boas, nós trouxemos algumas para a banda e pulamos imediatamente para o processo de gravação, o que levou um pouco mais de seis meses. Houveram algumas coisas um pouco diferente para nós desta vez em torno da gravação, esta foi a primeira vez que trouxemos músicos de fora, o que foi legal. Nós quisemos muito capturar o elemento humano que eu penso está faltando em muitas músicas hoje em dia. Então, estávamos aptos a receber um tecladista e a banda ter backing vocals. E ter todo mundo tocando na música realmente elevou o processo dentro e fora das músicas. Elas assumiram um tipo de nova vida que talvez elas não teriam se não fizéssemos isso. Então isso foi muito importante para nós e eu acho que realmente trouxe o álbum para a vida.


Qual foi a inspiração por trás das novas faixas?

Tudo, quero dizer, a vida. Tudo vem da minha cabeça, então é tudo. É a partir de experiências pessoais e coisas que eu testemunhei para o que está acontecendo no mundo ao nosso redor e comentários sociais. É principalmente a inspiração que vem de lugar nenhum, então você realmente não sabe, é o que torna a escrita um processo tão tortuoso. Pode levar 10 anos para escrever uma canção ou pode demorar cinco minutos, mas você nunca sabe quando ele iria golpeá-lo como um relâmpago. Você apenas tem que esperar por isso e usar o lema, 'Tente não tentar', porque se você tentar escrever algo, você vai inevitavelmente falhar. Você tem que esperar e manter sua mente aberta para qualquer ideia bater-lhe e esperar que a ideia o leve a algo maior.


Houve alguma coisa que você aprendeu com os dois últimos álbuns que a ajudou a fazer esse?Eu acho que nós todos ficamos mais velhos e acho que aprendemos depois de fazer turnês por tanto tempo, nós realmente queríamos fazer um disco que soasse como a banda soa ao vivo. Por um lado nós fizemos isso, e por outro lado, absolutamente não fizemos, porque tínhamos todos esses músicos convidados. Então, por que somos uma banda de quatro peças, uma banda de rock and roll, tiveram outros elementos, mas tudo se completou. Nós queríamos muito gravar como uma banda ao vivo e acabar com isso de usar over dubs e coisas assim, por isso é muito mais a captura da magia de quem está tocando e a captura de um momento no tempo que é mágico e não pode ser repetido. Muito deste disco é muito parecido com o primeiro. A música 'Take Me Down' é um bom exemplo, em que o vocal dela, literalmente, é uma faixa de teste, assim como a guitarra, foi a primeira vez que tocamos e não repetimos isso. Essa foi a magia, então fizemos isso de forma muito orgânica, onde tentamos capturar o momento que era mágico e não poderia ser repetido. Realmente ouvir quem está tocando, a pessoa por trás da nota, e cada pequena oscilação ou os vocais, cada pequeno toque na corda da guitarra importa. Todos os bits são importantes porque você pode ouvir a pessoa. Ao capturar esse elemento humano, espero que as pessoas se conectem aos seres humanos em um nível mais profundo, e muitas músicas atualmente estão alinhadas doentiamente. Na minha opinião pessoal, eu acho que as imperfeições são o que pode fazer um álbum perfeito.


Houve algum desafio quando você trabalhou neste disco?

Sempre há desafios e sempre há altos e baixos. Acho que o maior desafio no início foi do nosso baterista, Jamie, que entrou pra gravar o álbum e machucou o braço, então ele não pode tocar no início por um par de semanas, então nós tivemos que fechar as gravações. Então foi um bom começo, mas ele melhorou e nós continuamos. Nós tivemos nossos altos e baixos, mas isso é como acontece porque você está criando algo do nada, mas nada drástico. Ninguém entrou em qualquer queda de braço ou qualquer coisa assim, então foi bom.


Você teve alguma expectativa ou reação quando o álbum saiu?

Eu não acho que estivéssemos realmente esperando por nada. Nós realmente não pensamos sobre isso desse jeito. Nós fazemos música para nós porque estaríamos fazendo isso mesmo se não fosse lançado. É uma parte da nossa identidade e é quem somos. Então nós fazemos isso para nós mesmos, então eu sempre digo que é como se eu tivesse essas crianças e, em seguida, uma vez que você as coloca no mundo não é mais nossa. Já não nos pertence; Ela pertence ao mundo. É como mandar um garoto para a faculdade. Você faz o seu melhor e, em seguida, você o coloca para fora. Então nós realmente não pensamos nisso. A única coisa que pensamos é, se nós não gostamos pessoalmente de algo então nós não lançamos. Se estamos felizes com isso, é isso. Se outras pessoas gostam, isso é legal. Se não, isso é legal também, há outras bandas pra ouvirem.


Vocês têm certa crueza e originalidade em sua música. Quais são seus pensamentos sobre como a indústria da música está mudando?

Bem, eu acho que estamos em um momento decisivo agora, não apenas com a música, mas também com o que está acontecendo no mundo. Ou vai para a esquerda ou vai para a direita. Acho que estamos em um ponto de inflexão esperando para ver o que vai acontecer. Mas acho que os músicos vão se intensificar. Música pode ajudar a salvar vidas e influenciar de forma positiva. A música certamente salvou minha vida repetidamente, espero que a música possa fazer isso novamente. E eu acho que é hora de a música ter um período de renascimento, novamente, porque seu trabalho é ético, como quando você olha para a história da música tipo nos anos 60 ou 70, onde todo mundo estava muito capacitado e a música foi grandiosa, em seguida, os anos 80 veio e tornou-se um pouco mais comercial e pop. Os anos 90 vieram e houve outra onda de grande arte que realmente afetou todos e, em seguida, a década de 2000 veio e tornou-se muito pop novamente. Espero que rock and roll tenha um ressurgimento em breve e eu acho que estamos em um momento de mudança onde é necessário, então eu espero todos os passos até esse banquete. Estamos tentando.


Existem novos artistas que você está ouvindo constantemente?

Na verdade não, eu tendo a furar os clássicos porque eles são chamados de clássicos por uma razão. Você não pode bater os Beatles. Porém estou ansiosa para o novo álbum do Soundgarden, que posso dizer que estou muito animada para isso porque King Animal é incrível, então eu mal posso esperar para ouvir o que eles vão fazem em seguida.


Quando vocês executam as músicas no palco, quais destas músicas você acha que deixa os fãs mais animados quando tocam ao vivo?

Estamos lentamente adicionando material novo porque eu queria que o disco se sentasse lá fora e que o público pudesse ouvir o nosso sangue, suor e lágrimas por um minuto antes de ouvir a desprezada interpretação do rock and roll. Estamos lentamente adicionando novo material, mas baseado no que nós adicionamos até agora, 'Oh My God' é realmente divertida, 'Take Me Down' é incrível, a plateia canta junto. "Prisoner" é realmente divertida, "Living In The Storm". Quero dizer todas elas são, é difícil escolher uma, como eu disse, elas são todos os seus filhos, então elas são todas uma explosão. Depende da noite, às vezes funciona melhor uma noite ou funciona melhor outra noite por isso você nunca sabe, mas todas elas.


Alguma coisa louca já aconteceu no palco?


Nada ainda... Quero dizer, literalmente fazemos tudo no palco. Eu acabei deslizando no início da turnê e eu torci meu joelho, então ainda estou me recuperando disso. Eu atingi o palco realmente muito forte em um ângulo errado. Nós exalamos energia e damos tudo no palco todas as noites, de modo que é tudo o que podemos fazer, tentar fazer o melhor show possível. Esse é o mais louco que fizemos até agora, mas os fãs parecem estar gostando, então estamos empolgados.


Você parece gostar de tocar com outros instrumentos, como por exemplo pandeiro, durante suas apresentações. Como você decide o que você quer usar no palco?

Bem, é música, então eu tento tudo. Eu toco um pouco de piano, percussão e um pouco de guitarra, obviamente. Eu toco um pouco de bateria, não tentando tirar os tambores de Jamie tão cedo, mas eu tento com o básico. É música, portanto, quando você está escrevendo, você está usando qualquer ferramenta ou qualquer coisa à sua disposição. Você essencialmente descobre como tocá-los para que você possa usá-los como uma técnica de escrita.


Sabe, você disse que está trabalhando em novo material. Será que isso acabará por se tornar um novo álbum em algum momento mais em breve?

Estamos sempre trabalhando em novos materiais. É difícil escrever na estrada, porque para Ben e eu, isso requer isolamento e você nunca está sozinho na estrada. Você está constantemente em torno de 12-13 pessoas que vivem em um ônibus e você nunca tem tempo com seus próprios pensamentos. Você está sempre anotando ideias, mas realmente a verdadeira carne do material ou nova canção vem quando você sai da estrada e toma todas essas pequenas manchas de ideias que você teve na estrada e os torna em algo real. Temos algumas músicas que não gravamos para este disco que ainda amamos e que vamos tentar entrar no estúdio quando tivermos uma chance e nocauteá-las. Eu não sei quando isso vai ser porque eu olhei para o nosso calendário de turnê atualmente e está passando por 2018, então eu não sei quão rápido esse novo material realmente vai ser gravado.


Bem, então há um tanto de datas de turnê vindo para vocês.

Sim e também vamos fazer outro vídeo, fazer novos vídeos de músicas, depois vamos para a Europa no ano novo e depois para todos os lugares. Eu não posso listar os lugares porque estaremos em toda parte; Nós vamos fazer turnê ao redor do mundo e então vamos rodar ele outra vez. E isso inclui a América obviamente.


Quais cidades ou países vocês estão ansiosos para tocar?

Bem, estamos ansiosos para voltar para a América do Sul porque já estivemos lá uma vez e tivemos um grande momento. A plateia lá é louca pra car*lho. Nós nunca fomos a Nova Zelândia, que está na lista dessa vez, portanto estamos esperando ansiosamente por isso. Quero dizer, em todos os lugares tem uma vibração diferente e ao mesmo tempo, a mesma vibração, porque todos estão lá pela música e com a mesma intenção. É sempre uma experiência muito positiva subir no palco e gritar em um microfone todas as noites. É o melhor trabalho do planeta.


Que tipo de futuro você vê com a banda? Você planeja continuar a fazer música com eles?

Absolutamente. Eu acho que o objetivo com, provavelmente qualquer banda, que é certamente a nossa banda é a qualidade e longevidade e essas são as duas coisas. Nós só queremos continuar melhorando como indivíduos e como uma unidade, continuar a fazer música nova, melhorar a nós mesmos cada vez, e longevidade. Fazer isso até que não possamos mais fisicamente fazer, fazer até não sermos mais capaz. Porque eu estou fazendo isso sentada no sofá em casa, então eu poderia muito bem fazer para todos os outros.
Tradução por Fc Cold Blooded.
FAÇA SEU COMENTÁRIO