Entrevista para a NYLON Magazine

Taylor Momsen está na edição de novembro da revista NYLON, confira a entrevista:

"Seu diário se parece com o meu diário", diz Taylor Momsen, olhando para o meu caderno preto cheio de rabiscos, enquanto está sentada no sofá em um hotel de Midtown Manhattan. "Eu tenho um saco cheio deles, tipo uns 30 sacos no meu apartamento agora. Eu tenho caixas e caixas de cadernos cheios de merdas que provavelmente nunca vão acabar."

Momsen gosta de escrever (ou melhor, precisa escrever, ela esclarece), e com Who You Selling For, o terceiro álbum de sua banda, The Pretty Reckless, ela quer contar uma história. "A ordem das músicas realmente é importante", diz ela, observando que se você escutá-lo do começo ao fim, você pode ouvir a narrativa do álbum, que aborda temas de frustração com o mundo circundante e manter o controle em meio a forças externas confusas.

Talvez mais conhecida por interpretar Jenny Humphrey em "Gossip Girl" e Cindy Lou Who em "O Grinch", de 2000, os dias de atuação de Momsen ficaram para trás no momento. Hoje, ela prefere gastar seu tempo pintando e esculpindo, e está trabalhando mesmo em escrever alguns livros. Mas principalmente ela está focada na música: ensaiando com a The Pretty Reckless, que também inclui o guitarrista Ben Phillips, o baixista Mark Damon e o baterista Jamie Perkins; E se preparando para a turnê do seu álbum recém lançado, em 21 de outubro, Who You Selling For pela Razor & Tie.

"Há muita variedade em termos de emoções e estilos", diz Momsen sobre o álbum, primeiro da banda desde "Going to Hell", 2014, que varia do clássico hard rock e scuzzy, tons grunges e dedilhados de guitarra. Ela escreveu o álbum com Phillips, depois de dois anos na estrada e escreveu a maioria das músicas ao longo de seis meses, depois de ser envolvida pela turnê, e gravado com o produtor Kato Khandwala.

A coleção de 12 músicas abre com "The Walls Are Closing In / Hangman", uma balada de piano sinistro que rapidamente se arrasta em riffs escuros e pesados ​​com vocais pontuados. A canção acaba explodindo em melodias melancólicas e queimando as pistas de guitarra, mostrando o alcance estético do álbum nos primeiros seis minutos. Em outros lugares há harmonias twangy, reflexões sobre sua juventude e aparições de Warren Haynes, ex-guitarrista dos Allman Brothers, e Janice Pendarvis, vocalista que colaborou com David Bowie e Steely Dan.

"Enquanto eu olho para fora da janela do meu quarto / eu vejo o caos que está me chamando / Então o vento sopra onde quer que seja / É tudo demais para mim", Momsen canta em "Bedroom Window", uma faixa introspectiva acústica que é reminiscente de The Beatles, sua banda favorita. É uma música sobre querer se esconder do mundo, mas pela próxima faixa, "Living in the Storm", parece impossível. "É auto-reflexivo", diz ela. "Estou dentro. Eu não quero sair para a tempestade. E então eu estou nela. E o mundo está fodido, eu estou fodida, tudo está fodido. Estou na tempestade, não sei o que estou fazendo, mas estou aqui. Um monte de gente deve se sentir assim. Ligue a notícia - o que está acontecendo agora? Eu não posso nem olhar para a internet. Ou ligue uma televisão. É apenas um caos."

Na conversa, Momsen parece não ter preocupações em impressionar ninguém além de si mesma. Quando perguntada sobre o significado do título do álbum, ela rapidamente pergunta de volta, "Bem, o que isso significa para você? Significa algo diferente para mim todos os dias. Hoje, isso significa NYLON". Mesmo sua composição é principalmente por sua própria causa: "Eu escrevo para mim, porque eu honestamente não sei o que eu faria se eu não escrevesse. É apenas uma parte de quem eu sou. É auto-expressão. É tudo muito pessoal". E ter esse tipo de relação íntima com a música tem sido cura para ela. "Todo mundo passa por altos e baixos na vida", diz ela. "A música é a única coisa - pelo menos para mim, e eu acho que para muitas pessoas - que pode mudá-lo e pode movê-lo de uma maneira que outras coisas não podem. Isso me permite aprofundar ainda mais no que eu estou sentindo ou fugindo. Há sempre algo para se mudar. Para ajudá-lo a crescer, para ajudá-lo a pensar, para ajudá-lo a abrir sua mente um pouco mais."

É por isso que, em última instância, ela se dedica tanto a si mesma. "Eu sou uma pessoa muito particular", diz Momsen. "Eu não gosto de viver minha vida publicamente. Eu sempre digo, se você quer me conhecer como pessoa, ouça meus álbuns. Todo o meu coração, minha alma e minha vida estão ali para você interpretar, ouvir e descobrir".
Tradução por Fc Cold Blooded.
FAÇA SEU COMENTÁRIO