Entrevista da Taylor para a Kerrang! Magazine

Taylor Momsen deu uma entrevista para a edição de outubro da revista Kerrang!. Taylor falou sobre o Who You Selling For, sobre seu processo de composição e também sobre sua vida pessoal. Confira a entrevista na íntegra abaixo:

Taylor Momsen está em New York, arrumando suas roupas. Ou, pelo menos, esse é o plano. A cantora e compositora junto com quarteto de New York City, The Pretty Reckless, estão programados para sair para o aeroporto em horas; sua banda está se preparando para uma turnê mundial que tem paradas em Londres e Paris. Mas as malas de Taylor estão vazias. Um ninho de roupas a vista e o tempo está passando. Quando lhe pediram para descrever seu estado mental atual, ela menciona que seu cérebro pode estar parando. "Eu não estou fazendo qualquer sentido", ela suspira a Kerrang!, enquanto examina o caos na frente dela.


Não que esse tipo de desorientação tenha sido um grande problema para a Taylor no passado: dois álbuns melódicos grunge (Light Me Up, 2010; Going To Hell, 2014), uma carreira de sete anos e uma porção de shows matadores levou os quatro - Taylor, o guitarrista Ben Phillips, o baixista Mark Damon eo baterista Jamie Perkins - ao redor do planeta inúmeras vezes. Malas bagunçadas e uma sensação de desorientação, mais aquelas intermináveis ​​demandas de todos os lados, são apenas uma outra parte do negócio quando se trata de frente de uma banda com um gosto pela dominação da rádio. Não há descanso à vista, qualquer que seja. Logo, o mais recente álbum da The Pretty Reckless será sangrento.


Dos fones de ouvido. Uma bomba barril de riffs blues pesados, grooves soul e lirismo catártico, "Who You Selling For" aparentemente coloca a alma de Taylor nua - em papel, pelo menos - insinuando episódios sombrios de frustração e dor. Se The Pretty Reckless queria um retiro sutil nas sombras, então eles fizeram o álbum errado, e Taylor sabe disso. Não que ela deveria ter feito isso de outra maneira.

"É cansativo", diz ela. "Mas é emocionante e divertido, também. Este álbum é o nosso álbum de maior orgulho até agora. Com o nosso último disco, Going To Hell, nós ficamos em turnê por muito tempo, tocando as mesmas canções mais e mais por dois anos direto. Nós estavamos realmente se coçando para tocar algo diferente. Já fazia tanto tempo desde que tínhamos feito algum material novo, então quando saímos da estrada, nós pulamos para dentro disso, porque estávamos morrendo por algo novo, tanto para nós mesmos quanto para nossa própria sanidade. "


As canções foram escritas ao longo de um período de dois anos. "O estúdio estava solto", diz Taylor. "Nós fomos para o processo de composição e gravação das músicas realmente com a mentalidade de ''não forçar'. Íamos para o estúdio e se algo não foi captado naquele dia, não iriamos tentar chutar cavalo morto de novo e de novo. Nós saiamos e voltávamos com uma cabeça fresca."
"Também queríamos capturar a performance, por isso, olhamos para o álbum de uma perspectiva old-school, porque todo mundo quer fazer um som perfeito com computadores [hoje em dia]. Eu não acho que a perfeição era o nosso objetivo neste disco. Não é o tipo alinhado em computador. Eu queria ouvir o desempenho humano; a pessoa por trás da nota; a voz transmitindo uma emoção."


Algumas músicas vieram rapidamente, como a fúria, debandada do punk de "Oh My God". Outros apareceram do nada. Uma faixa que se desenhou junta rapidamente foi Mad Love, uma homenagem a David Bowie, que foi esboçada logo após a morte do The Thin White Duke, no início de 2016.

"Isso realmente afetou a todos nós", diz Taylor. "Nós ficamos devastados. Como qualquer [grande] artista, ele era um ícone e uma força da natureza. Quando alguém tão bom assim parte, é devastador - as coisas que ele fez vão durar para sempre, mas isso é tudo que nós vamos chegar agora. Então, Mad Love foi a minha homenagem a ele, e a canção foi escrita ao longo de três dias, que foi provavelmente a gravação mais rápida no álbum. "Quando se trata de mergulhar nas letras The Pretty Reckless, isto é tão revelador quanto Taylor pretende.


Em previews anteriores do Who You Selling For, a cantora deu a entender que a "Take Me Down" foi inspirada pela história de Robert Johnson ir para uma encruzilhada e vender sua alma pelo rock'n'roll. "Eu definitivamente entendo o sentimento de dar a sua vida para a música", diz ela. "Parece que não há outra escolha. É um amor e uma obsessão que você iria sacrificar quase tudo para isso". Sobre  faixa-título, ela explicou que o humor foi uma esmagadora confusão: "O que estou fazendo com a minha vida? " "O que o mundo está fazendo?" e, "O que está acontecendo?". Mas estes foram apenas o mais breve dos trechos. É mais difícil você ouvir as letras do "Who You Selling For", mais você irá ficar fascinado com isso.

Tome "Oh My God" e sua vibração da inocência perdida, para começar: "Oh meu Deus / Eu queria poder pensar/ Queria poder fazer algo mais inteligente do que cantar ... Eu queria levar isso de volta para quando eu estava tão muda e tão inocente". Ou a confusão como e "The Devil's Back": "Eu odeio o que me tornei e agora eu não posso respirar/ Ansiedade está me matando suavemente". Há uma sombra negra que paira sobre os contos da The Pretty Reckless. Só não pergunte Taylor para explicar sobre. Ela determinou que não teremos mais clareza sobre seus pensamentos mais íntimos.

"Eu acho que Oh My God está falando de um modo geral", diz ela. "À medida que envelhecemos, a inocência desaparece, a realidade se define e a dor é muito mais profunda... Falar sobre as músicas fere o ouvinte. Eu acho que é realmente injusto quando os artistas dizem que a música significa para eles, ou do que se trata. Por exemplo, eu aprendi que "Shine On You Crazy Diamond" do Pink Floyd era sobre o [ex-vocalista] Syd Barrett. Eu não quero saber. Isso me chateou. Essa música tinha um significado completamente diferente para mim. Levou algo de mim". "Onde eu estou indo - liricamente e musicalmente, neste momento - vai mudar daqui a cinco anos. Música e arte evoluem ao longo do tempo, mesmo que a música nunca mude. Ela cresce com você. Eu não gosto de colocar muitas coisas que definam nela. A música se define."


Taylor Momsen acha que ela é introvertida e muito tímida. Bem, talvez não muito tímida. "Reclusa é uma palavra melhor", diz ela. Sempre que ela está fora da estrada, é bem improvável que ela saia de sua casa. "Eu honestamente não saio", ela ri. "Eu sou muito caseira. Eu passei muito da minha vida em turnê, ou em viagem, que se eu tiver a oportunidade de estar em casa, eu não saio. Eu vou até cafés e é isso. Eu não sou uma pessoa que saí muito. "


Você nunca teria imaginado isso pela presença de palco dela. Taylor não é de se encolher atrás de uma pilha de amplificadores em shows. Em vez disso, ronda o palco, com sua voz que é um cozimento gutural de Courtney Love na era Celebrity Skin e o uivo artístico de Brody Dalle. Assim, é difícil de imaginar a hipnotizante Taylor ao vivo com sua descrição de uma reclusa doméstica, mas no palco, ela diz, é onde tudo fica real.
"Quando eu estou cantando, não é uma personalidade diferente, é um aspecto de desempenho. Há a parte compositora de mim que é o introvertido, um artista recluso. Depois há a minha parte 'saia para o mundo' onde estou tocando rock'n'roll para as pessoas. O processo de gravação é diferente do aspecto do desempenho de reprodução de música. Eles são diferentes, mas eu não diria que eu sou uma pessoa diferente em tudo".


Se isso diz algo, durante o curso da entrevista Kerrang! com Taylor mal mencionamos suas carreiras anteriores. Mas indo através das entrevistas sobre o primeiro álbum de The Pretty Reckless sua vida como modelo (que começou com dois anos de idade) e Gossip Girl tendiam a ofuscar suas conquistas mais recentes. O que é diferente nos dias de hoje: as pessoas preferem falar sobre a Taylor Momsen de 2016, uma rockstar cujo esse passado é apenas um ruído.

"É bom que o foco está nisso, por causa de falar sobre qualquer coisa que é anterior à minha banda parece que eu estou falando sobre a minha infância", diz ela. "É como falar do ginásio ou algo assim... Literalmente, eu estava no ginásio! Assim, sempre que trazem isso de volta parece tão estranho para mim. Eu sinto como uma vida passada".


Compor com a The Pretty Reckless é o seu foco principal nos dias de hoje, mas é algo com que ela pode lutar às vezes. Muitas vezes, Taylor encontra inspiração do dia-a-dia: um programa de TV, talvez; uma conversa com um estranho; ou "apenas sentada em um sofá olhando para uma parede branca". Quando a inspiração resulta em uma faixa de estúdio, ela reconhece que é apenas a melhor sensação no planeta. Em seguida, um pânico menor em conjunto. "Você afunda em um buraco", diz ela. "Você vai e 'merda, agora eu tenho que fazer isso novamente. De onde veio isso? Como eu fiz isso?'"


"Eu não sei o que eu faria se eu não escrevesse música, apesar de tudo. É uma baita parte de mim neste momento. Eu tenho feito isso por tanto tempo que é uma parte da minha identidade. Eu sou uma escritora [mas] não é algo que eu faço, é quem eu sou. É o meu hobby, minha vida, minha identidade, minha vida, todos os itens acima. Sem ela, eu não sei que tipo de pessoa eu seria. "

Não é apenas uma saída criativa. É uma saída terapêutica, também. No passado, Taylor mencionou sua depressão e ansiedade. Mas o "Who You Selling For", diz ela, não se trata exclusivamente dessas emoções. "É sobre cada emoção", ela explica. "É como todas as pessoas se sentem, eu acho. Você passa por altos e baixos, você passa por intervalos de sentimentos, então eu acho que quando você diz [depressão ou ansiedade], soa muito dramático. Na realidade, era apenas um dia, ou apenas a vida. Ao colocar o estigma de uma palavra em algo, torna-se um pouco mais dramática do que realmente era."


Se Taylor está esperando que perguntas sobre suas letras e sua conexão com elas - pessoal ou ficcional - possam diminuir no futuro, ela será bastante sacudida. Nos próximos meses, o interesse na The Pretty Reckless só vai se intensificar. "Who You Selling For" cuidará disso, não que ela esteja desconfortável com qualquer aumento de popularidade. Quando solicitada a listar suas esperanças para a banda, ela menciona que tocar em estádios "parece muito divertido". Então, a fama está mais fácil de ser manuseada hoje em dia? "Alguma coisa se torna mais fácil à medida que envelhecem?", Pergunta ela de volta. "Elas apenas mudam. Ela não fica mais fácil ou mais difícil. Está apenas evoluindo... Eu realmente não vejo esse lado dela. Como Liam Gallagher [do Oasis] disse: você tem que continuar empurrando-a para trás sobre seu ombro e continuar indo para a frente com você mesmo, porque não é real. Você tem que ignorá-la".

Ignorância é uma benção. No caso da The Pretty Reckless poderia ser um jogo inteligente de agir mudo. Na virada do ano, o mundo vai ser muito louco para Taylor Momsen e sua banda. Ela vai ter que continuar a empurrar através do barulho da mutidão. E com suas malas ainda bem arrumadas, muito provavelmente. WHO YOU SELLING FOR será lançado em 21 de outubro via VIRGEM EMI.
Tradução por Fc Cold Blooded 
FAÇA SEU COMENTÁRIO