Alternative Nation: Review do "Who You Selling For"

O site Alternative Nation fez uma review sobre o novo álbum da The Pretty Reckless, "Who You Selling For". Confira: 

The Pretty Reckless prova no "Who You Selling For" que o rock não está morto!
O Rock & roll não está morto pessoal!
Dois anos depois de cativar o mundo do rock moderno com seu álbum "Going To Hell", The Pretty Reckless está de volta com ainda mais aptidão e paixão do que nunca. "Who You Selling For" de 2016, é o terceiro disco de estúdio da banda, e ele está colocando muitas coisas na mesa para os seus fãs.
A frontwoman Taylor Momsen não é apenas uma estrela do Rock, mas também é muito mais. Fazendo Q&A com seus fãs no Twitter, ela gostava de ver como as pessoas tentavam desmistificar este novo álbum enigmático e todos os temas subjacentes por trás dele. Ela nunca dá muita informação, porque ela quer ouvintes para mergulhar em suas canções com uma mente aberta e imparcial, para que possam descobrir seus próprios significados por trás de suas mensagens. Em vez de ser capaz de identificar um sentimento ou evento específico, os fãs são deixados para utilizar as porções artísticas de suas próprias mentes - e isso é o que faz The Pretty Reckless boa pra caramba.
Antes de rever o novo álbum, eu quero recapitular e comparar os dois primeiros. O salto a partir do "Light Me Up" de 2010 para o "Going To Hell" de 2014, foi um salto do amador para o profissional, para dizer no mínimo. Não me interpretem mal - Light Me Up tem algumas músicas muito divertidas e impressionantes nele. As faixas são mais produzidas em estúdio e com orientação pop, e elas são divertidas para cantar junto. No entanto, é mais destinado a um público específico, que seria composto por jovens. Mas não vamos esquecer que isso é o que Momsen era na época - uma menina de 15 anos de idade. Quantas experiências alguém nessa idade já atravessou em sua vida para ser capaz de escrever canções avançadas? Não muitas, mas mesmo assim ela ainda fez um trabalho muito bom.
Agora, "Going To Hell". Este álbum foi muito mais compreensível para mim e para todos os fãs de rock igualmente. Momsen afirmou que eles escolheram manter a produção simples e bruta para que as músicas soem mais natural quando eles tocam ao vivo, e você pode ouvir uma diferença drástica na música desta vez. As guitarras são mais pesadas, o baixo está batendo e  a bateria é impecável. Going To Hell definitivamente fez a banda conquistar uma base de fãs mais ampla e cada vez maior à medida que tocavam em festivais com bandas como Slayer, Halestorm, Korn, e Slash. Este foi o álbum que realmente os colocou no mapa, e este foi o álbum que mostrou ao mundo que eles estavam seriamente se matando pelo seu rock and roll.
E agora é hora de entrar em "Who You Selling For". Em meados de julho, Momsen postou a arte da capa do primeiro single que estava para ser lançado. Com o logotipo clássico da banda e uma mulher com o que parecia ser as mãos do diabo agitando, os fãs ficaram sem saber para qual caminho eles estavam indo e se seria entregue outra coleção de canções sobre o diabo e sobre pertencer ao "caminho de baixo" (way down bellow).
Bem, fãs de The Pretty Reckless, vocês terão uma surpresa.
Dos três álbuns, Who You Selling For é de longe o mais experimental. Considerando que os dois primeiros álbuns tendem a permanecer fiel a um som ligado ao Rock, desta vez o currículo diversificado de influências da banda é ouvido e mostra como eles expandiram seus horizontes e exploraram outros sub-gêneros do rock, como o soul, blues e funk. Esta versatilidade mostra a extensão da aptidão da banda, pois não é fácil entrar em tantos territórios em um álbum e, de verdade, conseguir um bom som.
Momsen oferece vários estilos diferentes de cantar, entretanto, mais atenção é colocada sobre o guitarrista Ben Phillips do que anteriormente, já que muitas das canções apresentam solos de guitarra mais longos. O tema recorrente ao longo deste trabalho é viver com os benefícios e os encargos da fama. Vamos analisar as faixas uma a uma.
Eu não acho que a banda poderia ter escolhido uma abertura melhor para o álbum do que "The Walls Are Closing In (Hangman)." Como é minha favorita, eu estou realmente esperando que eles escolham essa para abrir seus shows também. A música começa com um interlúdio de piano e possui a voz grave e rouca de Momsen. Com um som de guitarra e o overdubbing dos vocais, este título parece ter sido fortemente influenciado por Alice in Chains. O ritmo é legal e o tom é misterioso como Momsen rosna sobre ter que viver de acordo com os altos padrões de críticos na indústria da música.
"Oh My God" foi o segundo single lançado do álbum no início de setembro. Enérgico, com raiva, e cru - Momsen grita sobre os encargos da fama e deseja que ela podesse voltar para um ponto anterior em sua vida. A próxima faixa e primeiro single, "Take Me Down" foi lançado em 14 de julho. Com uma batida muito mais calma do que a arte da capa do single insinuou, cresceu rapidamente entre os ouvintes, uma vez que subiu ao número um nas paradas de rock dentro de semanas. Com uma ranhura catchy, esta canção no estilo de narrativa se abre sobre a realidade do negócio da música e assinatura "com o diabo".
"Prisoner" é a primeira faixa do disco que realmente mergulha em um novo território, musicalmente. É muito profundamente baseada no blues, na sequência do 12-bar formato tradicional de blues canção. "Wild City", escrito sobre Nova York, onde a banda se formou, é muito excêntrica também. Tem um tom de funk dominando, com um coro no fundo para complementar os vocais de Momsen.
Em seguida é uma canção que lembra de uma natureza inocente, sobre a falta de casa e querer fugir dos holofotes e as pressões que vêm com ele. "Back to the River" é uma faixa sul-rock que tem melodias de guitarra que imita banjo e vocais suaves. Ela definitivamente tem o tipo de batida que faz você querer quebrar uma cerveja aberta no campo.
A faixa título do álbum é tranquila e calma, com um leve acúmulo para o fim. Os versos apresentam uma batida suave atrás da voz arejada de Momsen, vocais relaxados. "Bedroom Window" é outra faixa lenta, acústica. Ela tem traços semelhantes a "Norwegian Wood", compreensível já que Momsen tem uma grande admiração por John Lennon. Quem não tem?
"Living in the Storm" tem uma vantagem alternativa a ela acompanhada por vocais screechy. "Already Dead" é ​​uma melodia densa com blues de Chicago remanescentes. A faixa mais longa do disco, "The Devil's Back" é suave, mas fria. Os últimos quatro minutos desta música os holofotes estão sobre Ben Phillips, onde ele interpreta um rico solo, ecoando. Nenhuma das suas canções no passado deu um tal intervalo de tempo dedicado exclusivamente ao instrumental, por isso foi um bom começo para a banda.
A canção final é "Mad Love." Esta é provavelmente a faixa mais inesperada do álbum. Ela abre com um refrão de guitarra inspirado em "Lucy in the Sky whit Diamonds" e depois muda para um muito produzido, groove hip-hop funk. Enquanto é definitivamente uma peça atraente, isso pode levar algum tempo para se acostumar para aqueles vinculados exclusivamente ao rock.
"Who You Selling For" está com o lançamento programado para 21 de outubro. No geral, o álbum representou uma nova viagem que a banda decidiu embarcar em conjunto, e valeu a pena. Este é o álbum mais ousado e progressivo da The Pretty Reckless. E você vai adorar.
Não se esqueça de comprar ingressos para vê-los tocar também. Essas músicas ao vivo vão ser doentias.

Tradução por Fc Cold Blooded.

FAÇA SEU COMENTÁRIO