Nova entrevista e photoshoot da Taylor para a District MTV.



Recentemente Taylor Momsen concedeu uma entrevista e fez um no photoshoot para a District MTV. Confira abaixo as fotos do photoshoot e a entrevista traduzida:


(Clique nas miniaturas para ir à galeria)

Entrevista Traduzida:
Pense Taylor Momsen: pense controvérsia, pense delineador, pense The pretty Reckless. Mas talvez seja a hora de pensar outra vez, porque há muito mais de Momsen do que sua presença de palco selvagem pode parecer. Taylor falou ao District MTV sobre como suas turnês abriram os olhos para o mundo e todos os seus problemas e porque Going To Hell, o segundo álbum do The Pretty Reckless, é um álbum que ela escreveu sobre um momento extremamente importante na vida da banda - o tempo os viu eles experimentar alguns eventos horríveis ao tentar gravar e emergindo do outro lado dessas tragédias. Ela também justifica sua decisão de aparecer totalmente nua na capa do Going To Hell e esclarece de uma vez por todas o quão amigável ela é com o próprio diabo.

District MTV: Então Taylor, este é o segundo álbum do The Pretty Reckless, que é um fator crucial na longevidade de carreira de qualquer banda. Você sente que tem algo a provar com este álbum?

Taylor: Eu nunca sinto que tenho algo a provar, eu escrevo músicas porque eu amo fazer isso, eu escrevo músicas para mim e, particularmente, com este álbum, quando eu fui para o processo de escrita, eu entrei com a ideia de não ter limites. Eu não estava escrevendo para o rádio, eu não estava escrevendo para os fãs, nem para a indústria, eu decidi não seguir as fórmulas e entrar nele com uma mente aberta. Sem limites de qualquer forma. Eu queria ver onde isso me levaria.

Por causa disso, eu acho que nós realmente aperfeiçoamos um som neste álbum. É muito mais um álbum "cru", se estamos falando de produção, em comparação com o Light Me Up. Este álbum é muito despojado, é apenas duas guitarras, baixo, bateria e vocais. Pouquíssima produção. Depois da turnê Light Me Up que durou dois anos e meio, nós aprendemos que nós não tocamos com faixas de apoio,  e tivemos que descobrir como levar este grande e produzido álbum para uma versão ao vivo; então nos tornamos muitos próximos enquanto estávamos em turnê. Nós realmente queríamos refletir isso neste álbum. Esse som que desenvolvemos como uma banda na estrada, eu sinto que Going To Hell representa isso.

District MTV: O álbum se é bem completo em termos de uma história e som.

Taylor: Sim, espero que sim. Há uma serie de diferentes dimensões nele, espero que tenha algo para todos lá, mas quando eu estava escrevendo esse álbum, um monte de temas comuns começaram a surgir e se você escutá-lo inteiro, a tracklist é muito importante. Você deve ouvi-lo adequadamente como um álbum, porque conta uma historia e captura um momento especifico no tempo em não apenas a minha vida, mas na vida da banda. Muitas tragédias ocorreram enquanto estávamos fazendo este álbum. Tudo que aconteceu está nestas canções.  Portanto, não é apenas uma coleção de singles, ele realmente diz algo sobre a nossa história.

District MTV: Você já disse anteriormente sobre as coisas terríveis que aconteceram durante a gravação do Going To Hell [O estúdio do The Pretty Reckless foi destruído e a esposa do seu produtor faleceu]. Agora que você está tocando as novas músicas ao vivo, as memórias associadas com a sua gravação as torna difíceis de tocar?

Taylor: Se eu fosse sentar e ouvir o disco, então sim, eles me afetariam. Mas quando você está tocando, você está tão no momento de estar no palco e a multidão respondendo a você, esperando que nada quebre e que os tubos não explodam os amplificadores, e que o microfone está ligado! Você está dando o seu melhor, você está muito preocupado com o show em si para pensar sobre isso. Mas quando eu ouvir sozinha, então certamente que sim, eu tenho meus próprios sentimento sobre tudo.

District MTV: 'Fucked Up World' é uma faixa no fim do álbum, super rock N' Roll, mas quen os faz pensar: oque você considera ser realmente fodido agora?

Taylor: Bem, tudo...! [risos] Nós viajamos o mundo por dois anos e meio e vimos com nossos próprios olhos e não apenas mudou a minha perspectiva e percepção de tudo. Vendo tudo, desde o desequilíbrio de poder e estrutura e da pobreza e da violência e da repressão... a lista vai longe. Estas são coisas que todos já falaram antes, mas eles não parecem ser temas comuns na música no momento. Então, eu senti a necessidade de escrever sobre isso de alguma maneira e, para resumir de forma simples, é tudo muito fodido! Nós não estamos fazendo a coisa certa. Nós não tratamos uns aos outros certo, nós não tratamos o mundo certo, tipo, tem que haver uma maneira melhor. Eu não estou dizendo que eu tenho a resposta, mas vou tentar trazer essas coisas para a atenção de alguém.

District MTV: Que é apenas uma coisa boa. Tudo sobre este álbum, a partir  da capa, título, músicas e letras, contém tantas mensagens religiosas e anti-religiosas. Além disso, quando você pesquisa "Taylor Momsen" há tantas teorias que você é uma satanista ou uma crtã em toda a internet. Ninguém pode decidir o que você representa...

Taylor:  [risos] Eu não sou realmente uma pessoa muito religiosa…

District MTV: Nós imaginamos.

Taylor: Eu não sou satanista. Isso eu tenho certeza.

District MTV: Você se considera uma pessoa espiritual de alguma forma?

Taylor:  Sim. Eu não acho que a religião é necessariamente uma coisa ruim. Acho que encontrar a sua espiritualidade, uma espécie de centro de sua vida é uma coisa necessária para todos. Se isso vem da religião ou da meditação ou de qualquer outra coisa ... para mim é música. Eu encontro consolo nela  e é isso que mantém com os pés no chão.

District MTV: Finalmente – nós te vemos na capa do álbum, e está bem pelada. Você também já fez vídeos promocionais e outras fotos no passado, onde você foi sem roupa (ou com pouca roupa) . Você já se sentiu vulnerável fazendo isso?

Taylor: Não. Porque é a minha visão, é a minha decisão para fazer isso. É tudo sobre os meus termos. A capa do disco, por exemplo, que levou tanto tempo para fazer essa foto, porque o objetivo era criar uma bela fotografia que estava intacto – como o tipo de álbum de capa do Pink Floyd, como Wish You Were Here, onde eles realmente botaram foto em um cara para fazer isso. Eu estava tipo “Eu quero jogar fogo em alguém! Quero fazer algo assim!” Eu queria criar uma fotografia icônica que era simples e realmente sobre a cruz . Essa ideia surgiu a partir desse cartaz famoso que Pink Floyd lançou quando eles lançaram seu “back catalogue”, a foto de todas as mulheres nuas sentadas perto de uma piscina, com a capa do álbum pintado em suas costas. Então, eu tinha o símbolo, a cruz de Going To Hell , e decidimos que iríamos pintá-la nas minhas costas. Depois a imagem causou uma bagunça toda, mas eu estava apenas tentando criar uma fotografia icônica. Quando eu não estou fazendo algo criativo como isso, eu estou completamente coberta em roupas – como o de hoje! A nudez tem que ter um significado artístico por trás dele caso contrário eu acho que é apenas irrelevante.

District MTV: Nós amamos a paródia da boneca Barbie da capa do álbum que você retweetou.

Taylor: Eu achei tão engraçado! Eles até puseram a parte do cabelo nas minhas costas, eles fizeram tão bem. 

Entrevista traduzida por Fc Cold Blooded.

FAÇA SEU COMENTÁRIO