Entrevista da Taylor Momsen para a My Rock Magazine


Mês passado a Taylor Momsen fez um photoshoot e concedeu uma entrevista à My Rock Magazine da França. Leia abaixo a entrevista traduzida:

4 anos depois de Light Me Up, Taylor Momsen nos revela um estranho caminho ao inferno.
A não-complicada adolescente virou uma adulta, a um ponto que a sua música se transformou, deixando a provocação para músicas fortes perfeitamente dominado.
Você tinha suas dúvidas sobre o primeiro álbum? “Going To Hell” vai provar que não, The Pretty Reckless não é apenas uma noitada.

Em 2012 você entrou em tour com Marilyn Manson, quais memórias você tem daquela experiência?
Tenho tantas que eu nem sei por onde começar! Foi fantástico, tantas que todos os shows dessa tour estão gravadas na minha memória. Eu me diverti muito cantando no palco e depois de assisti-lo.

Nós conseguimos imaginar muita loucura.
Claro, é o Marilyn Manson, o papa da loucura. Eu realmente o conheci durante a tour. Hoje ele é um amigo próximo. Ele é uma ótima pessoa, diferente do que ele mostra ao mundo, nós tentamos manter contato o máximo que conseguimos.

Ele tentou te estrangular durante o Revolver Golden Gods Awards?
(risos) Sim! Foi muito legal cantar “The Dope Show” com ele. E ao contrario do que as pessoas dizem, ser estrangulada por Marilyn Manson no palco foi insano… e legal!

Um pouco depois você colaborou com um grande nome do rock de hoje, Paul Barker.
Eu canto na música “Victory”, que está em seu álbum solo “Fix This!” E também  no documentário sobre “Ministry”. Paulo escreveu esta canção muito indevida, apenas  instrumental, e ele estava à procura de alguém para cantá-la.  Ele entrou em contato com o meu produtor, Kato Kwandala, o pedindo para me fazer ouvir a música.  Eu aceitei imediatamente, quero dizer, como eu poderia recusar? Eu sou um grande fã de “Ministry”!

Começando denovo

Vamos falar sobre Going To Hell, o segundo álbum da banda, nos conte como tudo começou.
Começamos o processo de escrita logo após a nossa tour com Marilyn Manson,  verão de 2012. Eu não queria ter uma folga, eu tive que usar essa energia que eu tinha  dos shows. Naquele momento a maioria das faixas do álbum estavam escritas, em Hoboken, New Jersey. Tudo estava indo muito bem … antes que o furacão Sandy veio e destruiu tudo em seu caminho!  O estúdio foi destruido, perdemos nossos equipamentos, e também toda a gravações. Tivemos que começar tudo de novo, em outro lugar.

Como aquilo te fez sentir?
Fiquei arrasada . Não tínhamos mais amps, mais guitarras, e nem músicas, um verdadeiro choque! Havia água em todo o estúdio, mas não só como o furacão trouxe um monte de coisas, como lixo, letreiros… foi um caos total! Mas esse apocalipse não foi um total desastre, logo depois que escrevemos a canção “Going To Hell”.  As vezes , uma luz pode vir das trevas …e confie em mim , tivemos um monte de “trevas” durante a gravação! O furacão Sandy foi apenas o ponto de partida da queda no Inferno, daí saiu o título do álbum.
Por exemplo , um pouco depois disso, a esposa do nosso produtor brutalmente morreu . Ela era muito próxima cada um de nós , ela era realmente uma parte da banda e família e sua perda nos afetou muito. Este evento inspirou a canção “Fucked Up World”, porque naquele momento todos nós tivemos uma dificuldade em ver bondade na vida… Estávamos com raiva de todo mundo e, por causa de todas essas tragédias em torno de nós , esta raiva saiu de nós, gritando através da música. É por isso que este álbum levou mais tempo para ser lançado, e por isso que é mais “dark” que o último.

Também foi mais energético
Totalmente! Eu explico isso pelo fato de que nós criamos as músicas de uma forma diferente que o primeiro álbum. Você precisa entender que, quando nós escrevemos “Light Me Up”, nós não tínhamos feito muitos shows. Mas desta vez, nós tínhamos  2 anos de tour. Tem sido um passo crucial, porque nós entendemos que o nosso música deve ser escrita na perspectiva da versão ao vivo.  Esta química cênica entre nós mudou, nos empurra diretamente ao nosso objetivo, a substituição das possibilidades com a energia de uma banda de rock que toca junto, na mesma sala. Ajuda a definir o nosso som, é por isso que Going To Hell soa exatamente como a banda toca ao vivo, o que não foi o caso da Light me up, que teve mais produção.

Amplificadores altos

Light Me Up teve um lado bem grunge, mas Going To Hell tem mais variações, pode ir de heavy para gospel.
Não a intenção. O único objetivo era não ter limites. Vou até dizer que as músicas fizeram o processo, como se elas estavam falando através de nós. Não há limites, e principalmente não sonhos de glória, por isso que não há um “single” evidente, porque nenhuma música foi feita para a industria. O único pensamento que tínhamos era para escrever boas canções. Não importa o que se tivessem um ritmo baixo ou se eles estavam pesadas.

Na verdade, há muitas partes pesadas do disco, como Follow Me Down e Going To Hell. Quer dizer, você gosta de Rock and Roll quando  grita e quando é suave?
Exatamente! Não é o significado exato do Rock n roll, afinal? Eu gosto quando uma canção é suja, quando podemos sentir o carinho dos músicos em seus instrumentos.  Nesses momentos, há quase de encantamento, a música te possui,  isso é o que eu amo e que me faz continuar! E este mundo é uma merda,  então vamos tocar com amplificadores altos de qualquer maneira.

Esta atitude é parecida com as das divas do rock, como Lita Ford e Joan Jett, o que você acha?
Talvez, mas eu não gosto de reduzir a música para o sexo das pessoas… Se eu tivesse que procurar um algo, é mais eles, eu gosto de aproveitar a vida ao máximo, porque ela é curta.

Talvez  não seja o seu propósito, mas você contribui colocando meninas no mesmo nível que os meninos no mundo do rock. Já era tempo! Falando sobre isso, já você é uma cantora, você notou uma mudança na forma como eles olham para você?
Eu não sei, porque, na verdade, em excessao  dos shows eu não tenho muitas ocasiões para sair e conhecer novas pessoas, mas é verdade que, em geral, eles realmente não  falam comigo, eu acho que eu os assusto, mesmo que eu jurando que eu sou uma garota legal, não tenha medo de mim, rapazes! (risos)

No lançamento de Light Me Up, um monte de céticos sobre sua nova vida como uma cantora mas quando ouvimos este disco, e a vemos no palco, nós só podemos pensar que você nasceu pra isso
Muito obrigada… leva muito tempo, de energia e de shows para convencer pessoas, mas acho que a maneira como eles me veem esta finalmente mudando. Eu acho que hoje em dia as pessoas que estão olhando para a sua chance de rock’n'roll e não se desapontam quando eles vêem nos ver no palco. Por outro lado, os tem as pessoas que esperam ver  a menina de “Gossip Girl” dançando vão se arrepender do dinheiro que gastaram. A música não  apenas um hobby, é minha vida toda e vai me seguir até o fim, é por isso que eu parei de atuar anos atrás. Atuar acabou para mim. Eu sei que você “nunca pode dizer nunca”, mas hoje eu gasto meu tempo em shows, e eu acho que isso é muito mais desafiador. Estar no palco é o melhor trabalho do mundo!  É muito trabalho, como o fato de que você voar 20 horas para dar um show de 1 hora, mas é bom pra caralho!

Se no início as letras do álbum são um pouco como “Viva rápido e morrem jovem”, mas uma quando a escutamos mais intensamente, vemos  temas muito mais profundos do que os de Light Me Up.
Sim, a composição de Going To Hell é bem mais madura. Não se esqueça que eu tenho 20 anos hoje, quando neste momento eu tinha apenas 15 anos. Mas você está certo, há realmente uma duplo sentido neste disco, e os que querem ouvi-lo para desfrutar a vida não precisam entender as letras. Mas é um pouco ruim parar por aí porque, mesmo a vida sendo feita para se divertir, às vezes você tem que olhar para as coisas diretamente nos olhos e aceitar todas as merdas acontecendo todos os dias, mas nada como representar os mais jovens sentimentos como falar sobre eles. Embora ignorando a verdade não vá faze-la desaparecer, é hipócrita quando  você pensa sobre isso. A pobreza e a violência estão destruindo vidas todos os dias e arruinando este mundo. O ser humano tem que aprender a ser melhor.

Os problemas de violência, você fala sobre eles especialmente na canção “Why’d you bring a  shotgun to the party”.
Sim. Eu tive a idéia de que a canção quando eu percebi que todos os dias o tem notícias nos noticiários sobre adolescentes sendo baleados, que estão literalmente matando uns aos outros.  É uma selvageria para os mais jovens, eu não poderia continuar assistindo sem falar sobre isso.

A proibição das armas de fogo é um tema sensível  nos EUA, essa música é uma maneira de dar uma opinião?
Eu não sei… É complicado… eu vejo o que está acontecendo, mas eu não tenho a resposta, pela única razão de que eu não tenho nenhuma. E eu não quero ser moralista, acabei de pedir para os mais jovens  pensar e falar sobre isso em vez de atirar no cabeça dos outros, mesmo que seja difícil para mim entender como um país pode legalmente vender armas ao seu cidadão. Paz e amor, a vida já é curta, por isso não significa nada sair matando uns aos outros, isso é o que eu gostaria de dizer aos meus fãs e os que lêem esta entrevista.

Por trás das roupas pretas e maquiagem, finalmente você está Hippie!
Talvez um pouco hippie, sim (risos), afinal John Lennon é um dos meus heróis! Digamos que algumas frases hippies são muito certas, como não fazer para os outros o que você não quer que façam a você.

Vamos falar sobre o tema do álbum, que  certamente vai chocar religiosos, você tem a pintura de uma versão estranha da cruz desenhada em seu corpo.
É uma imagem muito simples, mas eficaz para descrever o album e o fato que todos nós estamos indo para o inferno por nossos pecados. E eu não quero apontar com o meu dedo uma religião específica, mas todas as religiões. Eu cresci em uma família católica, então eu sei todas as referências e é por isso que eu gosto de provoca-los, mas as outras religiões não são melhores.  Acho que as pessoas levam muito a sério, quero dizer, não há inferno, não há céu, apenas a noção de bem e do mal. Ele não vale a pena fazer todas essas guerras… Eu quero dizer a todos eles para abrir os olhos, porque eu não acho que sob os nossos pés, há um grupo de demônios com caudas  e chifres, que estão à espera de nossos julgamentos para nos rasgar em pedaços, mesmo que essa ideia seja é muito legal (risos). Não deixe que eles te enganar, todo mundo pode criar seu próprio céu, e, claro, seu próprio inferno.

Tradução: Taylor Momsen brasil
FAÇA SEU COMENTÁRIO